principiante
Agora você está lendo
Tulipas pelo preço do ouro - O que era a tulipomania?
0

Tulipas pelo preço do ouro - O que era a tulipomania?

criado Forex ClubDezembro 1 2022

Os instintos animais fazem com que as pessoas, desde o início dos tempos, muitas vezes sejam guiadas por duas emoções: medo e ganância. O medo impedia as pessoas de fazerem algo estúpido, enquanto a ganância levava a humanidade a correr riscos. A história da humanidade conhece situações em que o referido risco foi excessivo. Às vezes, há situações em que grande parte das pessoas cai em grande medo ao mesmo tempo ou enlouquece de ganância. Se o último ocorrer, bolhas de preços podem aparecer no mercado. Uma bolha de preços pode ser um ativo muito estranho. Um grande exemplo é a bolha da primeira metade do século XVII, quando as pessoas especulavam… bulbos de tulipa. Eles não tiveram uma aplicação mais ampla na então atividade produtiva da humanidade. Muitos investiram todas as posses de suas vidas por uma razão - seu preço estava subindo. A loucura do século XVII foi saudada como TULIPOMANIA.

Parece bobagem agora, mas é aí que entram a ganância e o medo. Inicialmente, as pessoas podem ter zombado de investir em bulbos de tulipa. No entanto, quando viram que seus vizinhos haviam enriquecido com essa prática, houve ganância e arrependimento pela oportunidade perdida. Dizem que não tem nada pior do que ver o vizinho ficar rico mais rápido que você. Como resultado, as pessoas que não conheciam as tulipas as compravam ou faziam contratos para seu fornecimento apenas na esperança de encontrar um comprador disposto a comprá-las de volta por um preço mais alto no futuro (o chamado jogo do tolo maior). A mania das tulipas foi um fenômeno social e encontrou inúmeras referências na arte. Foram criadas imagens e sátiras que remetem a essa loucura. Embora a mania das tulipas tenha sido percebida pelo público como um exemplo de loucura especulativa que envolveu grande parte da sociedade, alguns pesquisadores têm uma opinião diferente. Eles acreditam que foi um episódio especulativo limitado. No texto de hoje, apresentaremos os dois pontos de vista.

ambiente de mercado

00a Guilherme I mania das tulipas

Guilherme I de Orange um dos fundadores das Províncias Unidas. Fonte: wikipedia.org

Começo da formação  Províncias Unidas (atual Holanda) remonta a 1579. Então 7 províncias assinaram a "União de Utrecht". Foi uma declaração de desobediência à Espanha católica pelas províncias protestantes da Holanda. A União de Utrecht é uma espécie de resposta ao Tratado de Arras, onde as províncias católicas do sul da Holanda declararam lealdade à Espanha. Alguns anos depois, foi oficialmente estabelecida a República das Províncias Unidas, que nas décadas seguintes travou uma guerra com a Espanha pelo reconhecimento de sua independência.. Este conflito foi mais tarde chamado de "Guerra dos Oitenta Anos". Um dos "pais fundadores" das Províncias Unidas foi Guilherme I de Orange.

As Províncias Unidas eram protestantes e, por isso, eram um lugar de refúgio para muitas pessoas de fé semelhante. Os refugiados procuravam uma região que lhes permitisse praticar a sua fé. Entre os que fugiram estavam trabalhadores qualificados, o que permitiu à Holanda estimular o desenvolvimento econômico. Além disso, a ética de trabalho, que veio do calvinismo, também ajudou. Os calvinistas davam grande ênfase à educação e ao trabalho. Isso permitiu aumentar a produtividade do trabalho, o que resultou em maior competitividade no mercado europeu. As províncias unidas também se tornaram um lugar onde o capital fluiu de toda a Europa protestante. Amsterdam estava se tornando um dos centros financeiros do Velho Continente.

01 East India Company voc tulipomania

Logotipo da Companhia Holandesa das Índias Orientais. Fonte: wikipedia.org

Vale lembrar que a primeira metade do século XVII foi um período chamado de "Idade de Ouro" na Holanda. Isto deveu-se ao facto de este país ter sido beneficiário de descobertas geográficas. Os mercadores enriqueceram com o comércio com o Extremo Oriente. Estima-se que uma viagem comercial bem-sucedida à Ásia poderia gerar lucros de até 400%. A empresa mais importante do mundo naquela época era a Companhia Holandesa das Índias Orientais. Foi também a primeira empresa de capital aberto.

A empresa detinha o monopólio estatal do comércio com os países do Extremo Oriente. O comércio de especiarias era particularmente lucrativo para a empresa, onde o preço de venda de alguns produtos era 17 vezes superior ao preço de compra. As economias de escala permitiram à Companhia das Índias Orientais competir com concorrentes ingleses, portugueses e espanhóis. Além disso, a empresa holandesa possuía frota e exército próprios, que forneciam proteção nas rotas marítimas. Isso reduziu o risco de perdas devido às ações de corsários e piratas. Graças a isso, no século XVII, surgiram investidores que lucraram com o aumento do preço das ações da Kompania e o pagamento de dividendos. Os lucros comerciais eram reinvestidos no negócio e parcialmente usados ​​para consumo. A crescente riqueza da sociedade significava que as necessidades das famílias aumentavam. As cidades tornaram-se cada vez mais belas e o gosto das classes altas mais refinado. Isso também afetou os jardins, que eram um dos locais onde seu status se manifestava. Um dos símbolos de riqueza da época eram as tulipas, que eram uma flor exótica e importada.

Tulipas na Europa

Pela primeira vez, as tulipas chegaram à Europa no século XVI. Devido à sua aparência original, que não se assemelhava às flores "comuns" que crescem na Europa, eram admiradas por seu "exotismo". Como resultado, as tulipas chegaram aos jardins dos europeus ricos. Então era um item de luxo. Depois de algum tempo, tornou-se um símbolo de status. Os ricos muitas vezes não eram amantes dessas flores. No entanto, sua posse era tratada como dever de todo homem rico "no nível". Além disso, a "aspirante à classe média" queria parecer mais rica do que realmente era. Assim, o principal motivo para comprar essas flores foi o seguinte - elas confirmaram o status social e material. A crescente popularidade das tulipas fez com que o interesse por essas flores também atingisse a base da escala social.

As tulipas são muito sensíveis às condições climáticas. Ao mesmo tempo, nos séculos XVI e XVII, não havia uma cultura arvense tão desenvolvida como hoje. Às vezes acontecia que grande parte das tulipas não "vivia" até a próxima estação. Agricultores holandeses desenvolveram técnicas que permitiriam o cultivo de tulipas na Holanda. A maior contribuição foi feita pelo botânico Carolus Clusius, que desenvolveu o hortus academicus enquanto trabalhava na Universidade de Leiden. Graças a isso, foi criada a primeira variedade de tulipa capaz de sobreviver ao cultivo no norte da Europa. Como resultado, surgiram cada vez mais tulipas de produção doméstica.

02 Mania da Tulipa Sempre Augusto

Sempre Augusto uma das tulipas mais caras. Fonte: wikipedia.org

Os agricultores rapidamente perceberam que leva de 7 a 12 anos para crescer a partir da semente, enquanto os próprios bulbos florescem no próximo ano. Durante a floração, o bulbo original desaparecia, mas ao lado dele apareciam muitos bulbos menores, que poderiam se transformar em tulipas na estação seguinte. Por isso, era importante cuidar bem das tulipas e proteger os bulbos da maneira correta. Houve situações em que o armazenamento inadequado ou a infecção por um vírus que afeta os bulbos causou uma diminuição na oferta de tulipas na próxima temporada.

Vale lembrar que a temporada das tulipas foi bem curta. No norte, as tulipas floresceram entre abril e maio. Por outro lado, o cuidado com os bulbos ocorreu entre junho e setembro. No resto do ano, floristas ou comerciantes de tulipas assinavam contratos com notários para comprar tulipas para o ano seguinte. Esses eram, na verdade, contratos futuros.

Acrescente-se que no século XVII os holandeses eram considerados mestres no campo das finanças. Amsterdam tornou-se o centro financeiro da Europa. Graças à profundidade do mercado financeiro (como naquela época), foi criado um mercado no qual era possível negociar direitos de compra de bulbos de tulipa.

Mercado de tulipas nos anos 1634 - 1637

À medida que as flores se tornaram mais populares, os produtores de tulipas aumentaram seus preços. Isso foi ajudado por uma boa situação econômica, que também foi apoiada por um comércio lucrativo com a Ásia. Em 1634, a demanda por bulbos também começou a ser relatada por especuladores franceses que queriam usar a arbitragem de preços para lucrar com o comércio de tulipas. Um aumento constante nos preços das tulipas continuou até 1636. Naquela época, o aumento dos preços decorreu de um aumento mais rápido da demanda, que a oferta não conseguia atender.

Em 1636, as tulipas eram uma das exportações mais importantes (junto com o gim e o queijo) das Províncias Unidas. Pode-se dizer que mesmo assim a Holanda estava se tornando um "centro de tulipas" na Europa.

Não é de surpreender que o preço das lâmpadas dependesse da oferta e da demanda por essa mercadoria. Refira-se que o abastecimento dependia das condições de armazenamento dos bolbos de tulipa e da existência de uma praga que os pudesse dizimar. Porque levou um ano para o abastecimento se recuperar (para desenterrar novos bulbos de tulipas que foram plantadas), o preço das flores pode flutuar muito com rumores sobre a oferta potencial na próxima temporada.

Em novembro do mesmo ano, começou um aumento drástico nos preços de alguns bulbos de tulipa. Muito rapidamente, os preços dos espécimes mais raros começaram a atingir preços superiores a centenas de florins. O período especulativo foi alimentado por contratos de fornecimento de tulipas para a nova temporada. Os holandeses chamavam esses contratos de windhandel ou "comércio aéreo". O nome veio do fato de que durante o comércio  nenhuma das lâmpadas mudou de mãos. Os compradores podiam negociar com alavancagem, pois tinham que pagar apenas uma taxa de 2,5% do valor do contrato. Esses contratos não foram negociados na Bolsa de Valores de Amsterdã, mas no mercado de balcão (OTC). Vale ressaltar que não foi um mercado muito líquido. Raramente um contrato mudou mais compradores do que três vezes. Então não era o comércio que estamos acostumados hoje.

O pico da mania das tulipas ocorreu durante o inverno de 1636-1637. Alguns dos contratos mudaram de comprador até 5 vezes. Isso significava que, em um mercado tão ilíquido, havia pessoas dispostas a acreditar que poderiam enriquecer muito rapidamente com "comprar caro e vender mais caro".

Era um jogo de maior bobagem, duas coisas eram necessárias:

  • A entrada de capitais no mercado,
  • Mantendo a fé que  os preços só podem subir.

Isso não soa familiar? Com o aumento do preço dos bulbos de tulipa, houve um efeito riqueza. Proprietários ricos com jardins que guardavam seus bulbos para a próxima temporada sentiram que sua fortuna estava crescendo. Relatos da época mencionam que algumas pessoas contrataram segurança. Ele protegia jardins e dependências de saqueadores que queriam obter facilmente bulbos de tulipa e vendê-los no mercado negro. O mercado cresceu acreditando que a oferta de lâmpadas em 1637 seria muito baixa. Como resultado, havia uma chance de um aumento significativo nos preços. Quanto maior o aumento de preço, mais retardatários queriam aderir aos aumentos.

Nada dura para sempre. No final de janeiro, os preços das tulipas estavam subindo com base em rumores sobre a praga predominante que afetava os bulbos das tulipas.. Em fevereiro, descobriu-se que o impacto da praga tem um efeito limitado na oferta de lâmpadas. O início da perda da fé começou em fevereiro de 1637 em Haarlem. Foi então pela primeira vez que os compradores não compareceram ao leilão de bulbos de tulipa. Um dos motivos foi a epidemia de peste bubônica. A praga, juntamente com a falta de fé na escassez de bulbos, causou o colapso do mercado de tulipas. O efeito do estouro da bolha foi uma queda drástica nos preços futuros e à vista. Muitas das variedades caíram mais de 99%.

A deterioração da situação do mercado fez com que alguns compradores não quisessem cumprir os contratos assinados. Um tribunal holandês ordenou o congelamento dos contratos de bulbos de tulipas. Cada um dos tribunais locais, após examinar o caso, deveria resolver as disputas por conta própria. Os acordos concluídos após 30 de novembro de 1636 não precisavam ser honrados. O comprador do contrato tinha apenas de pagar uma pequena percentagem do valor nominal do contrato para não ser obrigado a comprar as lâmpadas.

Tulipomania e dados de mercado - o problema de examinar o fenômeno

03 Anno 1637 mania das tulipas

"Anno 1637. De tulpenwindhandel" - Johannes Hinderikus Egenberger. Fonte: Wikipédia.org

Infelizmente, o século XVII não era tão avançado em termos de relatórios de preços de mercado quanto após a Revolução Industrial.. Como resultado, há poucos dados sobre os preços dos bulbos de tulipa. Por esse motivo, não há dados precisos sobre quando começou e terminou a bolha no mercado de tulipas. Grande parte dos dados de preços vem de uma sátira anônima chamada: Diálogos entre Waermondt e Gaergoedt. A sátira acima mencionada foi escrita logo após o estouro da bolha de preços.

A confiabilidade desses dados é questionada por alguns historiadores. Um dos economistas - Peter Garber - coletou dados sobre a venda de 161 bulbos para 39 espécies de tulipas. Os dados referem-se aos anos de 1633 a 1637. Segundo o economista, 53 deles foram registrados em "Diálogos". Curiosamente, de 161 lâmpadas, a maioria dos dados dizia respeito a 5 de fevereiro de 1637, quando a bolha estourou. A partir desse dia, o economista coletou dados de 98 transações. Além disso, os preços diziam respeito a várias transacções, tais como "contratos futuros", transações à vista, venda notarial por criadores, venda de bulbos para imóveis. Assim, não havia um mercado homogêneo para os bulbos de tulipa, mas sim uma transação entre particulares em um mercado não padronizado.

A loucura das multidões - o impacto nas visões das gerações futuras

Em 1841, o jornalista escocês Charles Mackay publicou um livro "Ilusões Populares Extraordinárias e a Loucura das Multidões". Nele, ele incluiu vários exemplos de loucura do mercado. Entre eles estavam as histórias da Bolha dos Mares do Sul e o engano da Companhia do Mississippi. Além disso, um exemplo foi a mania das tulipas. O livro deu o tom para a pesquisa de bolhas de tulipas por muitos anos. Por gerações, o livro foi examinado por outros economistas e especuladores que aprenderam com ele como reconhecer os períodos de loucura do mercado e o subsequente período de pânico e depressão. Curiosamente, o livro de Mackay foi baseado, entre outros, em sobre a obra de Johann Beckmann "Uma História de Invenções, Descobertas e Origens". Neste trabalho, dados sobre a tulipomania foram amplamente baseados nos "Diálogos" mencionados acima.


LEIA A COMENTÁRIO: Ilusões extraordinárias e loucura das multidões [Livro]


De acordo com Charles, mesmo os cidadãos muito pobres da Holanda estavam envolvidos em especular com essas flores durante a mania das tulipas. No livro, havia informações de que as pessoas deram 5 hectares (12 acres) de terra para um bulbo de tulipa Semper Augustus. Outros ofereciam uma cesta de mercadorias no valor de 2500 florins por uma única lâmpada Viceroy. Era uma quantia assombrosa. Um trabalhador qualificado poderia ganhar cerca de 350 florins por ano. Segundo o livro, a "febre das tulipas" afetou todos os estratos sociais. A ânsia de especular foi alimentada ainda mais por histórias de pessoas que ficaram ricas muito rapidamente. O clima era muito otimista, alguns acreditavam que pessoas de todo o mundo naquela época comprariam tulipas apenas na Holanda. No entanto, estes eram sonhos. A valorização temporária dos preços não poderia durar para sempre, porque era muito fácil cultivar mais bulbos da tulipa que você tinha. Assim, o monopólio holandês não poderia durar para sempre. Além do mais, essas flores vieram do Império Otomano para a Holanda. Então havia outros países que poderiam aumentar a produção, o que baixaria os preços.

Há também anedotas no livro que são improváveis ​​para os pesquisadores atuais. Um deles diz que um dos marinheiros confundiu um bulbo de tulipa com uma cebola normal e comeu no café da manhã. No momento do consumo, o valor de tal bulbo de tulipa poderia fornecer café da manhã para toda a tripulação do navio durante todo o ano. Segundo essa história, o marinheiro seria responsabilizado e levado a julgamento.

Dos relatos citados em "The Madness of Crowds" podem-se encontrar traços de comportamento típicos do período da mania do mercado. Os investidores compraram contratos de compra de tulipas apenas para revendê-las a um preço mais alto. Eles não estavam interessados ​​em possuir fisicamente os bulbos e plantá-los no jardim. O que incentivava as pessoas a comprar era o desejo de enriquecer rapidamente. Quanto mais durava essa mania, mais difícil era mantê-la. Isso se deveu ao fato de que cada vez mais capital era necessário para manter a tendência de alta nos preços dos bulbos de tulipa.

Uma nova visão da bolha das tulipas

Um dos oponentes mais famosos da visão padrão desse período da história foi Anne Goldgar. O histórico americano acreditava que a mania das tulipas afetava um grupo bastante restrito de pessoas. A maioria das histórias, por outro lado, fazia parte da reprodução de histórias especulativas exageradas. De acordo com Goldgar, o comércio de cebola não era tão fluido quanto os pesquisadores dos séculos 6 e 1637 afirmavam. Pela pesquisa em documentos da época, em sua opinião, o comércio de tulipas envolveu principalmente comerciantes e artesãos experientes. No entanto, não preocupava a elite da então Holanda. Além do mais, dos participantes da transação examinados, Anne conseguiu encontrar apenas XNUMX pessoas ricas que em XNUMX (o ano em que a bolha estourou) tiveram problemas financeiros.

Atualmente, alguns economistas e historiadores econômicos se concentram em encontrar razões racionais para o aumento de preços. Uma razão para a forte mudança no preço é o impacto da Guerra dos 30 Anos. A razão pode ser o influxo de otimismo causado pela adesão da Holanda e da França ao partido protestante e o início da ocupação da Holanda espanhola. Com o início da praga e a saída de capital para financiar a guerra, o mercado entrou em colapso. A razão mencionada explica mal um aumento tão forte nos preços dos bulbos. A peste e as guerras podem ser uma das razões para a queda significativa nos preços das tulipas.

Goldgar menciona que uma mudança semelhante nos preços das flores seguiu um padrão semelhante posteriormente. Como exemplo, ela deu os jacintos, que ganharam imensa popularidade no século XIX. Como resultado, os floristas começaram uma corrida para comprar bulbos dessa flor para atender à demanda. Inicialmente, terminou com um aumento significativo nos preços dos bulbos. Quando o mercado estava saturado, havia escassez de pessoas dispostas a aumentar ainda mais o preço. O aumento da oferta provocou uma grande deflação nos preços dessas flores. Em 30 anos, os preços das lâmpadas mais caras caíram 99% em relação ao pico de preço.

Por sua vez, Peter Garber menciona que a mania das tulipas, apesar de seu impacto limitado na economia e no mercado financeiro, teve forte impacto na consciência das pessoas que viviam nos tempos da bolha e logo após. Para muitos pensadores religiosos e conservadores, era absurdo que o preço do bulbo de uma flor que desabrocha muito rápido pudesse valer mais do que o trabalho de uma pessoa honesta durante um ano inteiro. Por isso, as histórias transmitidas de geração em geração alertavam contra a loucura da especulação. Portanto, as histórias sobre as consequências da mania foram exageradas em inúmeras sátiras.

Um olhar crítico sobre a obra de Anne Goldgar

Alguns pesquisadores, no entanto, são da opinião de que a pesquisa de Goldgar não pode explicar totalmente esses grandes aumentos e quedas nos preços. Em particular, a teoria corresponde mal a alguns dos altos aumentos no preço dos bulbos de tulipa comuns. Há economistas que consideram que a bolha do mercado das tulipas foi apenas um "eco" do aumento significativo da oferta monetária verificado na Holanda. Earl Thompson também sentiu que os argumentos de Anne falharam em explicar por que alguns bulbos de tulipa caíram até 99,999% em apenas alguns meses, quando os preços das flores na época tendiam a cair até 40% durante um mercado de baixa.

Segundo Thompson, um dos motivos para a forte mudança nos preços foi a intervenção do governo, que resultou do lobby dos floricultores. Como resultado da persuasão dos comerciantes, a lei sobre contratos de bulbos de tulipa foi alterada. Até agora, os contratos exigiam que o comprador o comprasse de volta a um determinado preço. Após a mudança na lei, o contrato passou a ser apenas uma opção de compra. Assim, formalmente, os contratos a termo (obrigação de compra) foram transformados em opções (direito de compra). A falha na compra resultaria no pagamento de uma comissão no valor de vários por cento do valor do contrato. Earl acreditava que alguns investidores no mercado sabiam sobre a mudança na lei, então esperavam poder usar alavancagem financeira para comprar tulipas.. Eles contaram o aumento futuro nos preços das lâmpadas, sabendo que tinham apenas um prêmio pago e uma "multa contratual" no valor de alguns por cento do contrato a perder.

Em 24 de fevereiro de 1637, a Guilda dos Comerciantes de Flores holandesa anunciou que todos os contratos celebrados após 30 de novembro e antes da abertura do mercado de ações na primavera de 1637 seriam interpretados como "contratos sem obrigação de compra" se o comprador de o contrato pagava uma pequena multa ao vendedor do contrato (o proprietário da lâmpada). Assim, o aumento dos preços futuros foi o comportamento racional dos especuladores que sabiam que não precisariam comprar lâmpadas no futuro.

Mania das Tulipas: Resumo

mania das tulipas é um dos exemplos mais famosos de febre especulativa da história. Curiosamente, o jogo em "maior tolo" ainda é válido, apesar do fato de que quase 400 anos se passaram desde a bolha das tulipas. Um exemplo pode ser bolha pontocom ou uma diminuição na avaliação de empresas em crescimento em 2022. No século 10, alguns comerciantes e especuladores acreditavam que o preço das tulipas continuaria subindo, embora os preços de tulipas como Viceroy e Sempre Augustus fossem avaliados por muitos anos de trabalho de um trabalhador qualificado. No auge da bolha, as tulipas mais valiosas foram vendidas por 000 florins, o equivalente a uma mansão no Grande Canal de Amsterdã. Esses preços não poderiam ser mantidos indefinidamente. As tulipas são uma mercadoria comum, também são fáceis de produzir (a longo prazo). Portanto, não poderia valer tanto a longo prazo.

Alguns estudiosos sugerem que a extensão real da mania das tulipas era muito menor do que nas descrições do período. A febre afetaria apenas comerciantes e um pequeno grupo de especuladores. Segundo esses pesquisadores, o mercado secundário do século XVII não era tão líquido quanto hoje, então os contratos raramente eram negociados. Na opinião deles, as histórias eram exageradas como parte da educação das gerações futuras sobre a ganância e a estupidez humana. Mesmo que a mania das tulipas tivesse um alcance financeiro limitado, certamente afetou a cultura da época. Isso pode ser visto em inúmeras pinturas e sátiras da época. Outra lição dessa história é deixar as emoções de lado ao investir ou especular. Fazendo o papel de "tolo maior", você nunca sabe quem ele realmente é.

O que você acha disso?
Eu
20%
interessante
80%
Heh ...
0%
Chocar!
0%
Eu não gosto
0%
ferimento
0%
Sobre o autor
Forex Club
O Forex Club é um dos maiores e mais antigos portais de investimento da Polônia - ferramentas de câmbio e negociação. É um projeto original lançado em 2008 e uma marca reconhecida focada no mercado de câmbio.