outras
Agora você está lendo
Como investir em títulos? Guia do iniciante [Tutorial]
0

Como investir em títulos? Guia do iniciante [Tutorial]

criado Forex Club15 Września 2021

A maioria dos investidores se sente insegura com apenas a exposição ao mercado de ações em seu portfólio. Isso é mais frequentemente devido ao fato de que a volatilidade da carteira é equiparada ao risco. Como regra, os investidores gostam de uma curva de capital suave. "Suavidade" significa que a possível queda no valor da carteira é pequena e leva muito pouco tempo. Para esse tipo de investidor, os períodos de baixa são particularmente frustrantes. O período de longos declínios é psicologicamente devastador para eles, pois pensam que estão ficando mais pobres (eles equiparam a avaliação atual com o valor intrínseco das ações). Nem todos aceitam que, no curto e médio prazo, os preços das ações podem se desviar significativamente de seu valor fundamental. Portanto, o período de quedas do mercado é muito estressante. Para esses investidores, existem quatro soluções:

  • pare de investir no mercado de ações;
  • usar estratégias de hedge de portfólio;
  • opte por um intervalo menor e invista com base na Análise Técnica;
  • incluir instrumentos menos voláteis na carteira de investimentos.

Parar de investir no mercado de ações é uma das piores escolhas no longo prazo. Isso ocorre porque é a classe de ativos que proporcionou aos investidores os maiores retornos nos últimos 100 anos. Claro, nem todos os mercados de ações superam outros ativos, mas a diversificação geográfica da carteira de ações permite lucrar com a economia global em crescimento. Ao “cortar” o mercado de ações, o próprio investidor limita o potencial de lucros a longo prazo. Estas não são palavras vazias. Seguem abaixo os resultados do ranking anual elaborado pelo Credit Suisse no mercado de capitais americano:

01 Credit Suisse

fonte: Credit Suisse

O uso de estratégias de hedge pode ser comparado à compra de seguro. Em troca do prêmio, o investidor se protege contra eventos inesperados que podem diminuir significativamente a avaliação da carteira de ações. A carteira pode ser protegida com instrumentos como: venda a descoberto, futuros ou opções. A desvantagem de tal solução é o custo, o tempo gasto na educação e na criação de estratégias de segurança e ... paciência. As estratégias de hedge exigem paciência, principalmente em tempos de crescimento do mercado. "Custo de seguro de herança" ele reduz os lucros durante uma alta do mercado, o que pode frustrar o investidor.

Outra solução é mudar sua estratégia de investimento. Em vez de construir uma "carteira para os próximos 10 anos", o investidor encurta significativamente o horizonte de investimento. A solução é swing trading ou day trading. Porém, o "custo" é um aumento nas comissões pagas e muito mais tempo gasto para "ficar de olho no mercado". Deve ser lembrado que mudar para uma estratégia de mais curto prazo não protege a carteira de reduções significativas de capital.

Também é possível incluir na carteira ativos menos correlacionados com o mercado de ações. Idealmente, a correlação deve ser fortemente negativa. Então, durante uma queda no mercado de ações, a outra parte da carteira iria lucrar. Graças a isso, quando as ações estão baratas, seria possível reequilibrar a carteira de investimentos (compra de ações e venda de um ativo não correlacionado). Títulos são um dos ativos que são incluídos voluntariamente na carteira de investimentos. Na parte posterior do artigo, a questão da inclusão de títulos na carteira de investimentos será discutida.

O que são títulos

Um título é um título de dívida emitido por um período de mais de um ano. O emissor do título (vendedor) obriga-se ao comprador (portador do título) a reembolsar a dívida com juros em pagamentos especificados, dentro de um determinado período de tempo. Os títulos podem ser divididos em vários tipos. Aqui estão os mais populares deles:

  • tipo de cupom
  • como a taxa de juros é calculada
  • tipo de garantia para o título
  • emissor
  • duração do período de maturidade

Tipo de cupom

A distinção básica entre títulos é como o cupom é pago. Os tipos mais famosos são os chamados títulos de cupom. No caso deles o emitente compromete-se a pagar juros periódicos designados por cupões. Também associado aos títulos está o termo "cupons cortados". No passado, os títulos eram emitidos com cupons que eram “cortados” após cada pagamento de juros. Aqui está um exemplo de um título do governo chinês de 1944:

02 cupons de títulos

fonte: eBay

Existem também títulos de cupom zero que não pagam juros até que o título seja resgatado. Os juros estão incluídos entre a diferença do valor nominal e o preço de emissão. Via de regra, o preço de emissão é igual ao valor nominal, porém, no caso de um título de cupom zero, o preço de emissão é inferior ao valor nominal. Como resultado, o investidor compra o título com desconto.

Tipo de interesse

Os títulos podem ter uma taxa de juros flutuante ou fixa. Em um ambiente de aumento das taxas de juros, títulos com taxa de juros flutuante (por exemplo, dependente do nível) são preferíveis taxas de juros) Por outro lado, quando as taxas de juros caem, os investidores preferem títulos de cupom fixo (sua taxa de juros não muda junto com uma queda nas taxas de juros de mercado).

Segurança de títulos

Este é um assunto importante. Obviamente, o comprador de títulos não presume que o emissor vá à falência (porque então é melhor não investir nos títulos desse emissor), mas você deve sempre verificar se o título tem garantia. A garantia pode ser uma hipoteca de imóveis ou contas a receber (geralmente esta solução é usada por empresas de cobrança de dívidas). Como regra, os títulos com boas garantias têm uma taxa de juros mais baixa do que os não garantidos (devido ao menor risco). Os proprietários de títulos não garantidos ou subordinados estão em uma situação muito pior. Em tal situação, os detentores de tais instrumentos de dívida estão em uma posição inferior na liquidação de créditos contra um emissor de títulos insolventes. Quanto mais baixa for a posição na “fila de reembolso”, maior será o risco de perda de fundos em caso de falência do emitente.

emissor

Ao investir em títulos, também é importante quem é o emissor dos títulos. Os governos são os maiores emissores de títulos do mundo. Esse tipo de título é chamado de títulos do tesouro. Via de regra, esse é o tipo mais seguro de dívida interna. Isso ocorre porque o estado raramente vai à falência. Isso ocorre porque ele sempre tem as ferramentas para lidar com o aumento dos custos de juros (por exemplo, inflação ou aumento de impostos). 

Em seguida, em termos de risco, estão os títulos do governo local e a dívida de agências governamentais. Esses títulos são indiretamente garantidos pelo Tesouro do Estado e, portanto, são caracterizados por um risco de investimento relativamente baixo. A bolsa de valores Catalyst polonesa lista, entre outros, títulos de Varsóvia. Uma das séries está prevista para o final de 2030. A taxa de juros desta série de títulos é de 0,9% + WIBOR6M. Os mais arriscados são os títulos emitidos por empresas (títulos corporativos). Ao adquirir dívida corporativa, o investidor deve ler atentamente os termos e condições da emissão e verificar a situação financeira do emitente.


Não deixe de ler: Como investir em futuros de títulos do Tesouro


Duração do período de maturidade

Os títulos também podem ser divididos de acordo com o período de vencimento. Via de regra, os títulos são divididos em: curto prazo (até 2 anos), médio prazo (2-5 anos) e longo prazo (acima de 5 anos). É importante lembrar que quanto maior o prazo de vencimento, mais sensível é o título às variações da taxa de juros. Portanto, ter títulos de cupom fixo de longo prazo afeta negativamente o desempenho da carteira à medida que as taxas de juros do mercado sobem.

Preços de títulos como uma função da mudança no YtM

Źródło: Slideplayer.com

Títulos na carteira - estratégias

Existem muitas estratégias para investir em títulos. Um dos mais populares é o famoso 60-40. Nessa estratégia, a carteira é composta por 60% de ações e 40% de instrumentos de dívida. O portfólio é rebalanceado periodicamente (por exemplo, uma vez por mês). Se, por exemplo, a participação das ações subiu para 62%, então, no final do trimestre, o investidor vende as ações e compra títulos com os recursos recebidos. As operações visam restaurar a composição da carteira no valor 60-40. No entanto, a estratégia tem suas desvantagens. Em períodos de "boom silencioso", o investidor "dilui" ações em ações (vende os vencedores) aumentando as posições em instrumentos de dívida com uma taxa de retorno potencial muito mais baixa. Claro, as variantes dessa estratégia são diferentes. De agressivo, com apenas 20% dos títulos em carteira, para "defensivo", onde 60% dos ativos são investidos em instrumentos de dívida.

Outra questão que deve ser levada em consideração é em que consiste a carteira de dívidas. Cada escolha tem suas vantagens e desvantagens. Se um investidor deseja maximizar a receita potencial da carteira de títulos, ele deve investir em dívida corporativa. Títulos têm os maiores rendimentos  "Lixo" (junk bonds). No entanto, seus preços estão fortemente correlacionados com o mercado de ações. Como resultado, muitos títulos de alto rendimento perdem valor durante problemas financeiros. Um exemplo seria ETF com exposição ao mercado de junk bonds, que se desvalorizou cerca de 2020% durante o pânico de março de 50.

04 junk bonds

Fonte: stooq.pl

Por outro lado, a escolha de títulos do tesouro significa que o rendimento da carteira de dívida é baixo, às vezes pode ser menor do que a inflação. É melhor criar uma combinação que combine títulos corporativos e governamentais com diferentes riscos de investimento. Isso permitirá aumentar a taxa de retorno e, ao mesmo tempo, deixar o risco em um nível aceitável.

Outra questão é se o investidor deseja focar em títulos de curto prazo (menos sensíveis a variações nas taxas de juros) ou em títulos de longo prazo (com as taxas de juros mais altas).


Não deixe de ler: Como investir em futuros de títulos alemães


Como construir exposição a títulos

Obviamente, depois de determinar como deve ser a carteira de investimentos, o investidor deve decidir como deseja construir a exposição em instrumentos de dívida. Ele pode escolher entre:

  • comprando os títulos você mesmo - é um processo demorado e requer muito capital para obter benefícios de diversificação. Ao mesmo tempo, o investidor deve ler os termos da emissão, examinar a condição financeira do emissor e não pagar a mais pelos títulos no mercado. Essa é uma escolha muito demorada, mas oferece controle total sobre a composição do portfólio.
  • uso de ETFs - é um atalho, o investidor compra uma "cesta" de títulos. Os ETFs têm uma ampla gama de políticas de investimento. Existem ETFs que se concentram apenas em junk bonds dos EUA ou dívida do governo europeu. A desvantagem é ter que pagar taxas de administração e comissão e spread. A vantagem é que você pode construir uma carteira diversificada de títulos a um custo muito baixo. Um exemplo de um ETF que dá exposição ao mercado de títulos é Vanguard Intermediate-Term Bond ETF.
  • compra de unidades de participação em TFI - é uma opção para investidores que não desejam investir em ETFs e escolhem seus próprios títulos para a carteira. As desvantagens são as taxas de administração relativamente altas e a falta de controle sobre a política de investimento.
  • uso de derivados - é uma escolha para investidores que apreciam o uso de alavancagem financeira. A desvantagem é a pequena seleção de títulos com futuros líquidos (principalmente títulos do tesouro das maiores economias).
05 títulos ETF

Gráfico de ETF de títulos de prazo médio Vanguard, intervalo W1. Fonte: xNUMX XTB.

O risco de investir em títulos

O investimento em títulos não é isento de riscos. Existem alguns riscos aos quais devemos estar atentos ao comprar títulos. Estes são:

  • risco de crédito - é o risco da solvência do emissor do título. Para minimizar o risco, é necessário analisar cuidadosamente a segurança dos títulos e a situação financeira do emissor. Também vale a pena verificar se o emissor possui a classificação de uma agência de classificação de crédito (por exemplo, S&P, Fitch, Moody's).
  • Risco da taxa de juros - a variação da taxa de juros afeta o preço dos títulos com cupom fixo e os rendimentos dos títulos com taxa de juros flutuante. Um aumento nas taxas de juros reduz os preços dos títulos com uma taxa de juros fixa e aumenta a rentabilidade dos títulos com uma taxa de juros flutuante. Outro problema com o qual o titular do título deve lidar é o risco de reinvestimento. Em uma situação de queda das taxas de juros, o investidor tem o problema de reinvestir os juros pela taxa anterior (taxa mais alta).
  • resgate antecipado de títulos - esta é uma situação que pode parecer favorável à primeira vista. O investidor recupera o capital investido, ou seja, não tem mais risco de crédito. Deve, portanto, reinvestir o capital recebido no mercado de títulos. Lembre-se de que o resgate antecipado de títulos priva o investidor de fluxos de caixa positivos futuros (cupons).
O que você acha disso?
Eu
0%
interessante
100%
Heh ...
0%
Chocar!
0%
Eu não gosto
0%
ferimento
0%
Sobre o autor
em branco
Forex Club
O Forex Club é um dos maiores e mais antigos portais de investimento da Polônia - ferramentas de câmbio e negociação. É um projeto original lançado em 2008 e uma marca reconhecida focada no mercado de câmbio.
Comentários

Deixe uma resposta