Notícia
Agora você está lendo
Chainalysis: sabemos quais exchanges de criptomoedas lavam dinheiro sujo
0

Chainalysis: sabemos quais exchanges de criptomoedas lavam dinheiro sujo

criado Michał SielskiFevereiro 3 2023

Muitas pessoas acreditam que a indústria de criptomoedas é suspeita, porque os tokens digitais são usados ​​principalmente por organizações criminosas que desejam lavar o dinheiro ganho com o tráfico de armas, pessoas, drogas ou outras atividades ilegais. Convencer que isso não é verdade é difícil, porque ainda existem empresas que se concentram principalmente na cooperação com criminosos. De acordo com o último relatório, eles são fáceis de rastrear.

Vamos começar com isso Trocas de criptomoeda e seus gerentes têm pouca influência sobre se eles serão explorados por criminosos. Assim como os bancos, que nem sempre precisam saber de onde vêm os recursos investidos neles, ou os fabricantes de facas que focam em um produto de corte de carne, que depois é usado, por exemplo, para matar pessoas.

Só que o desenvolvimento da tecnologia também aumenta a possibilidade de traçar o caminho que o dinheiro percorreu – principalmente o dinheiro digital. É ainda mais simples no caso das criptomoedas. Aqui podemos traçar o caminho exato de cada "moeda".

Crime Report Chainalysis: Cinco exchanges estão lavando dinheiro

O relatório acaba de ser divulgado Análise da Cadeia de Denúncias Criminaisque o verifica minuciosamente. Ele mostra conclusivamente que cinco exchanges de criptomoedas estão envolvidas em lavagem de dinheiro. Ali são depositados ienes japoneses, dólares americanos e euros. Segundo estimativas, até 68% do dinheiro sujo vai para cinco exchanges de criptomoedas.

Além do mais, as chances são de que esse dinheiro possa ser rastreado com bastante facilidade.

– Estou chocado porque alguns dos endereços que verificamos transferem, por exemplo, USD 100 milhões cada, vindo de fontes inquestionavelmente suspeitas  e ainda funcionam sem problemas. É estranho ainda mais porque é extremamente transparente e fácil de rastrear. Uma simples análise de blockchain é suficiente – enfatiza Kim Grauer, diretor do grupo de pesquisa da Chainalysis.

A luta contra o criptocrime está cada vez mais eficaz

Felizmente, as agências de aplicação da lei estão tendo cada vez mais sucesso com transações ilegais em trocas de criptomoedas. O Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC) do Tesouro dos EUA apreende periodicamente contas suspeitas e impõe sanções aos participantes da lavagem de dinheiro em bolsas de criptomoedas. No entanto, ainda é um grande problema na indústria.

Lavagem de dinheiro sujo principalmente na Rússia?

Mas quem exatamente é o vilão? A Chainalysis não nomeou as cinco exchanges de criptomoedas suspeitas. Os analistas ainda admitem que as bolsas simplesmente não sabem que estão lavando dinheiro. Embora seja mais provável que eles não queiram se interessar por isso, para não descobrir acidentalmente ...

No relatório anterior, porém, os nomes das exchanges já eram citados. Acontece que as trocas de criptomoedas da Rússia se concentraram principalmente em ganhar dinheiro sujo. Isso foi relatado às autoridades russas, você pode até dizer que o Kremlin colocou as cabeças dos criadores das trocas de criptomoedas e seus clientes em uma bandeja. E o que? E nada.

Apesar disso, os analistas ainda esperam que o combate aos criminosos seja cada vez mais eficaz.

– Temos trabalhado e ainda estamos trabalhando muito para mostrar onde há brechas no sistema que permitem a lavagem de dinheiro. Apesar disso, eles ainda ocorrem e encontramos mais. É uma corrida entre o bem e o mal, mas ainda somos bem-sucedidos nela – convence Kim Grauer, diretor do grupo de pesquisa da Chainalysis.

O problema, porém, é que a abordagem desse procedimento é bem diferente dependendo do país. Na parte civilizada do mundo, as criptomoedas estão se tornando parte do mainstream financeiro e, na Rússia, por exemplo, elas ainda atendem principalmente aos oligarcas, que graças a elas podem legalizar seus ativos, muitas vezes construídos com o sangue de vítimas indefesas.

O que você acha disso?
Eu
25%
interessante
75%
Heh ...
0%
Chocar!
0%
Eu não gosto
0%
ferimento
0%
Sobre o autor
Michał Sielski
Jornalista profissional há mais de 20 anos. Ele trabalhou, entre outros na Gazeta Wyborcza, recentemente associada ao maior portal regional - Trojmiasto.pl. No mercado financeiro, que está presente desde a 18 há anos, começou na WSE quando as ações da PKN Orlen, TP SA chegaram ao mercado. Recentemente, o investimento concentrou-se exclusivamente no mercado Forex. Particularmente, um paraquedista e amante das montanhas polonesas.